Batatas assadas com pasta de feijão-branco

Batatas assadas são sempre um sucesso por aqui. Estas não foram a exceção. ?

Para as batatas vão precisar de:
5 batatas vermelhas grandes
1 cc de açafrão
2 cc de pimentão doce fumado
1 cs de alho em pó
1 cs de tomilho seco
Azeite qb
Sal (opcional)

Usei batata vermelha grande. Lavei cuidadosamente com um esfregão da loiça. Passei por água e parti no sentido do comprimento em palitos grossos (sem descascar). Sequei bem. Temperei primeiro com o azeite e depois com os temperos secos. Se usarem sal é agora que o devem colocar. Num recipiente bem grande misturei tudo com as mãos, esfregando as batatas todas o mais possível para ganharem a cor dos temperos de forma homogénea.

antes de ir ao forno
antes de ir ao forno

Depois coloquei numa tabuleiro forrado com papel vegetal (que podem não usar. Mas eu gosto pouco de lavar assadeiras tostadas ? por isso uso sempre ?) e foi ao forno a 180 graus por 50 minutos. Podem virar ou dar uma mexidela a meio tempo.

ficaram douradinhas
ficaram douradinhas

Para a pasta de feijão-branco vão precisar de:
5 conchas (de servir sopa) de feijão-branco cozido e escorrido
1 dente de alho
sumo de meio limão
2 pés de salsa fresca
10 tomates cherry
12 bagos de uva (sem graínha)
2 cenouras cruas
1/2 cebola roxa
Azeite qb

Juntei o feijão, o alho, o sumo de limão e o azeite e desfiz com a varinha mágica. Piquei finamente a salsa e a cebola, cortei os bagos de uva em 4 e os tomatinhos também. Ralei as cenouras na parte mais fina do ralador manual. Juntei estes cortes ao preparado de feijão.

Servi o feijão à temperatura ambiente. Poder-se-ia dizer frio. Se estivesse quente as texturas não se mantinham e os sabores seriam menos interessantes.

muito saboroso apesar do aspeto duvidoso
muito saboroso apesar do aspeto duvidoso

O mais velho comeu muito bem. Claro que adorou as batatas, mas comeu o feijão muito bem. O mais novo começou a comer muito sorrateiramente. Quando dou por ele está a comer pedacinhos de pão (que estivemos os três a fazer de tarde) com batata em cima, como se o tivesse barrado com manteiga de amendoim, por exemplo. Comento que não pode comer só aqueles alimentos e que o feijão também é bom e faz-lhe bem. «Não quero, tem salsa e eu não gosto de salsa!» Ora bolas! Esqueci-me que ele não pode ver a salsa e que se recusa a comer. Continuo o meu prato bufando internamente. Entretanto mostro-lhe como imaginei que poderíamos comer o jantar.

delícia
delícia

Não se interessou, nem um bocadinho, e repetiu «tem salsa». Bolas! Lembrei-o que tinha a tigela de sopa na frente e que poderia comer uma colher de sopa e depois a batata e a seguir sopa novamente. A sopa tinha sido acabada de fazer por isso, as crianças, aguardavam que arrefecesse. Aceitou! Deixei de me preocupar, porque a sopa estava cheia de leguminosas. Juntei mungo germinado e ficou maravilhosa. Em pouco tempo ouvi o mais velho «Já vais no segundo? Eu ainda estou no primeiro!» E eu pensei «dois quê?!» Pois, o pequeno comeu dois pães (dos caseirinhos, também quem é que me mandou deixar o tabuleiro na mesa mesmo ao lado dele), a dose de batatas, sempre colocadas em cima de pedacinhos de pão. A sopa com um grissino (ao alho de beterraba e cenoura) dentro e os últimos pedaços do segundo pão. Um exagero! Mas esteve feliz e nunca foi preciso dizer para comer, com a exceção do feijão. Mas eu percebi logo que era batalha perdida, por isso não valia a pena perturbar. Comeu o que lhe apeteceu e comeu a maior fonte de proteína na sopa. Apesar de ele não saber essas coisas, isso deixou-me sossegada. E amanhã é outro dia!

Outros artigos

0 0 votos
Avaliação
Subscrever
Notificar
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários