A quinoa devia fazer parte da despensa de todos nós, independentemente do tipo de alimentação que se pratica. Do ponto de vista nutricional é muito completa, pois contém todos os aminoácidos essenciais. É portanto, também, uma ótima fonte de proteína. Apesar de se poder cozinhar em pouco tempo é sempre melhor demolhá-la umas horas antes, para reduzir o teor de fitatos e saponinas, aumentando a sua digestibilidade.
Eu meço a quantidade que vou cozinhar num copo medidor ou numa caneca, por exemplo. Depois, num coador de trama fina, passo-a por água para retirar alguma poeira. De seguida, devolvo-a ao copo medidor e encho-o com o dobro do seu volume de água. Volvidas algumas horas (se possível mais de duas), descarto a água da demolha e passo-a novamente por água corrente. Com o coador fica mais fácil domar os grãos.
Eu não gostava de quinoa até a comer depois de demolhada. Faz toda a diferença.
Como a quinoa já absorveu alguma água na demolha, na hora de cozer, uso apenas uma medida de água. Depois de ferver cozo em lume brando, tapado, por 10 minutos, e deixo permanecer tapado por outros 10. Só depois uso um garfo para soltar os grãos. Podem juntar uma colher de sopa de molho de soja, ou alho em pó, ou um fio de azeite. Regra geral, cá por casa, comemos apenas cozida em água. Ela tem um sabor característico que gostamos de apreciar sem disfarces. ;-)

As lentilhas castanhas também estiveram a demolhar. Pelas mesmas razões. Apesar de meio mundo dizer que não é preciso demolhar lentilhas, porque se cozem facilmente, não é só o tempo de cozedura que deve importar. A digestibilidade dos alimentos deve ser um motivo forte para mudar rotinas. Por nós e pelos nossos miúdos, que não conseguem expressar, ou mesmo aperceber-se, se a barriga inchou ou se têm dores. Demolhadas perdem para essa água os anti-nutrientes e ficam mais fáceis de tolerar pelas floras intestinais mais sensíveis. Voltando às maravilhosas lentilhas castanhas, as que usei são biológicas e têm um sabor intenso muito bom. Depois da demolha foram cozidas com um pedacinho de raiz de gengibre, outro de alga Kombu (ambos contribuem para a digestibilidade das fibras) e uma folha de louro (para dar sabor).

Lentilhas castanhas depois de demolhadas.

O alho francês, foi cortado ao meio no sentido do comprimento, lavado em água corrente (acho horrível lavar depois de cortado em argolas, porque não se consegue esfregar para retirar as areias que se escondem perto da rama mais esverdeada) e depois cortado em meios círculos. Numa frigideira anti-aderente, juntei um tomatinho seco cortado em pedacitos pequeninos, um fio de azeite e água até cobrir metade da altura do alho francês. Fui mexendo sempre enquanto fervia, depois diminuí o calor e tapei. Deixei murchar e perder o líquido. Coisa simples. Depois juntei os 3 e degustamos uma refeição simples e saborosa.

Sem sofrimento, só o meu, mesmo, que estive a cortar os alimentos enquanto punha ordem nas crianças que teimaram em pegar-se por causa dos Legos. ?

Outros artigos

0 0 votos
Avaliação
Subscrever
Notificar
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários